Koin, fintech de pagamentos, recebeu o primeiro aporte em fintech brasileira de 2018 no valor de R$ 15 milhões. A rodada foi liderada pelo International Finance Corporation (IFC), braço do Banco Mundial voltado para desenvolvimento do setor privado em países em desenvolvimento, e teve a participação de outros fundos europeus.

Gabriel Franco, presidente da fintech Koin, disse à agência Reuters que esse investimento é a primeira etapa de um projeto para captar R$ 300 milhões até o fim de 2018. A Koin deve usar os recursos pra expandir a empresa, contratando mais pessoas e investindo em inteligência de dados.

A fintech de pagamento existe desde 2012 e permite que o consumidor compre produtos online e os receba antes de pagar, à vista ou parcelado, por meio de boletos. Ela também serve como um canal de oferta de crédito para os lojistas, no qual a Koin assume o risco de inadimplência ou fraude após a aprovação da transação.

 

A Koin deve usar os recursos pra expandir a empresa, contratando mais pessoas e investindo em inteligência de dados.

Para Gabriel Franco, a insegurança de clientes em fornecer dados bancários na internet, a falta de limite no cartão de crédito ou o fato de não querer comprometer seu limite criam para o lojista uma ampla gama de novos consumidores potenciais, que hoje não são atendidos pelos principais meios de pagamentos. A Koin vem para preencher essa lacuna como uma fintech de pagamentos que fornece uma facilidade para esses potenciais compradores.

Segundo a fintech, a Koin já tem uma base de 250 mil compradores e mais de 100 lojas virtuais que oferecem o modelo de pagamentos, incluindo C&A, Melissa, Grendene, além de plataformas de e-commerce como BizCommerce, Blue Foot e InfraCommerce.

O ano de 2017 trouxe vários investimentos para startups brasileiras de serviços financeiros, inclusive em fintech de pagamentos como a Koi. Com esse primeiro aporte anunciado, já começamos 2018 com boas notícias para os mundos das fintechs.

Comentários